quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Sendo irmãos.. (Caio S.C. & Rennan W.M.C.)

Sendo irmãos,
Somamos alegrias,
Dividimos tristezas,
Subtraímos solidão
E multiplicamos o amor.
(Caio S.C. & Rennan W.M.C.)

Se foi com o tempo (Caio S.C.)



Aquelas palavras ditas

Valiam somente aquele tempo.

Hoje a passionalidade

Não passa de estranhamento.

Um olhar diferente do antigo,

Que era cheio de luz.

Com meu atual olhar acuado,

Nada mais me seduz.

Nem você,

Nem o antigo sorriso teu,

Nem seus olhos

Ou a beleza que Deus lhe deu.



Por sorte

A paixão não virou ódio.

Seus trejeitos agora são vagos,

Você não esta mais em um pódio.

Estar contigo não tem sentido,

O bater de meu coração

Tornou-se aflito,

Vivente de ilusão.

Mas agora

Deixei cessar todo conflito,

Retiro do peito a amargura e repito:

Não necessito de amores

Que necessitam ser compreendidos.

(Caio S.C.)

The redhead girl has gone away (Caio S.C.)

(A garota ruiva foi embora)













Muita carga
Era o que ela possuía.
A vida lhe pregava peças
E nas peças ela caia.
Esforçava-se no que queria,
No necessário
Também não pendia.
Peça era algo que gostava,
Ao teatro sempre ia,
Procura o drama dos atores
Encontrar em sua vida.
Fazia da vida uma grande peça,
Por mais que ainda
A morte temia,
Não via motivos para não viver,
A eternidade era sua amiga.
Em busca de um sonho
Deixou casa e lar,
Foi embora para longe,
Nela mesma precisava acreditar,
O caminho seria tortuoso,
Não estaria sozinha
Haveria a quem chorar.
De perto ou de longe,
Ela sempre deixa saudade.
Não importava se o cabelo era pintado,
Para mim,
Ela era ruiva de verdade.
(Caio S.C.)

(Poema dedica a Gabriela, que seguirá seus sonhos. Receba este poema como um presente de boa sorte e um até mais, espero que te ver com sucesso e com seus sonhos realizados/sendo realidados)
Bonne chance Gabriela , je vous souhaite beaucoup de succès,
nous voyons un jour.

domingo, 5 de agosto de 2012

Minha poesia, eu e você (Caio S.C.)

"Minha poesia, eu e você."

Torno em poesia
Todo sofrimento,
Faço rimas incontáveis
Sobre um simples momento.
Faço da felicidade
Um canto,
Uma musica,
Afasta tormentos.
Um marco para se lembrar do que é bom,
Um empurrão para deixar os maus pensamentos,
Uma frase que te faça dizer "Não!"
Ou "Sim",
Para o exato momento,
Onde sua decisão
Livrará de teu esquecimento.
Quero que a poesia te inspire
A fazer algo que não te faça ser esquecido,
Uma ação que muda sua vida,
Um MUNDO,
Ou simples engarrafamento.
Então agora peço,
Da forma mais humilde,
Pegue tudo que eu digo
- enquanto me despeço -
E mude seu mundo,
- e digo ‘Adeus’, -
Faça dele melhor,
Assim como eu,
- andando já ao longe, -
Que tentei.

(Caio S.C.)

Quando acordo (Caio S.C.)


E assim que a de ser,
A cada dia morre um eu,
Um ser,
Que não voltará jamais a viver,
A antiga vida.
Mas o novo também voltará a morrer.
E ainda sim,
Sigo vivo.

(Caio S.C.)

sábado, 2 de junho de 2012

Seu sabor e a poesia (Caio S.C.)

"Quando eu provar o teu sabor,
poderei fazer poesias sobre tua gloria,
do teu corpo,
teu calor.
Será a musa do poeta,
a inspiração mor do gênio,
será da fogueira,
a faísca,
lenha
e oxigênio.
Indubitavelmente,
com seu perfume exalante,
dirás que não mentes,
seremos excelentes amantes.
Mas que não fiquemos em promessas,
por que isso não dura.
Vivamos de desafios,
que é o que perdura"


(Caio S.C.)

quarta-feira, 30 de maio de 2012

Vem cá..! (Caio S.C.)


Vem cá se perder no meu abraço,
Você é meu presente,
Vai La pegar um laço,
Colorido,
De cetim,
Com uma etiqueta assim:
“Para: Você,
Meu querido;
De: mim”

Vou te puxar pro meu corpo,
Sem hesitar!
Corre,
Pula!
Acredite em nos,
Vou te segurar!
Eu te giro,
Façamos piruetas.
Sem medos,
Sem tanto perigos.
Sem maldade,
Sem caretas.

Entre meus braços,
Você estará comigo,
Numa aventura,
Onde existe um grande calor,
Sensações e loucuras.
E por que não,
Talvez,
Amor?!
Ou seria só doçura,
te fazer duvidar se é amizade,
Carisma ou ternura.

O importante é o ato,
esse que nos iguala,
nos bota na mesma sintonia,
diz o que nenhuma palavra fala.

Nossos abraços são como fogos,
não desperdice o show!
Vem cá,
mas vem logo!

(Caio S.C.)

domingo, 27 de maio de 2012

Ela tinha o poder... (Caio S.C.)



"Ela tinha dinheiro,
ela tinha poder,
ela tinha os prazeres,
e seu jeito de ser.
Tinha tanta coisa,
que enxergar,
mal podia,
tudo de belo que a vida dava,
e não agradecia.

Espero que tenha,
quiça,
um dia,
poder para abrir os olhos,
e fecha-los junto a um sorriso,
num momento de alegria"

(Caio S.C)

domingo, 13 de maio de 2012

A poesia ao desenhista. (Caio S.C.)




Feito de matéria,
Essência espiritual.
Forja com a mente a realidade,
Com a força apaga o mal.
Em uma mão o dom da criação,
Na outra,
O de refazer,
Renascendo do zero,
Ideias,
Que outrora não poderá ser
Algo útil e de mensagem
Com poder de comunicar,
Com emoção e inteligência
O que não poderia sozinho
Se expressar.

Caminha sozinho,
Por um caminho sujo,
Tinta,
Sempre aprendendo consigo
Num mundo injusto.
Tenta.
Seu lápis é uma espada,
Suas ideias,
Seus poderes.
Seu escudo uma borracha,
Que apaga o mal que fez,
Os erros do passado são reconstruídos
Dando-lhe asas a lucidez.

A Consciência é sua amiga,
Mas a Genialidade é seu pai,
Tudo que faz tem um propósito,
Em cada ponto de detalhe,
Caso avista algum inimigo,
Sua mente diz:
Retalhe!

A mãe é a Loucura,
Parecida com o pai.
Mas não conta com a razão,
Simplesmente vai e faz.
Risca pra lá,
Rabisca daqui,
Concerta o que há
Volta a se repetir,
Usando o traço da criação,
O dom de poder pensar,
Junta tudo,
Com ou sem lógica,
Para num objetivo chegar.

Tem os conceitos em si,
Alinhamento e cor,
As emoções e sofrimentos,
Voltam-se como beleza numa flor.

Pois essa é vida do desenhista,
O pequeno criador,
Quando faz sua sina,
Sabe o que é amor.
E passa outra vez,
Seu olhar pelo papel,
Revisa o que tem na mente,
Um mundo,
Um Inferno,
Tantas vidas
E seu próprio céu.

(Caio S.C.)

sexta-feira, 6 de abril de 2012

Na tarde, você em poucas frases. (Caio S.C.)


"Toda flor que encontro no caminho,
quero levar a você.
É minha tentativa de demonstrar
o que em ti consigo ver.

Em meio ao cinza da cidade,
olho aquela coisa colorida,
que me traz felicidade
e torna belo o dia.

Esqueço da dor,
da partida.
Do adeus que nem foi despedida,
e penso como quero você,
como mulher,
como bandida,
que rouba meu coração,
sem sentido e sem receio.
Você não é mulher de aposta,
mas sua felicidade é meu prêmio."




(Caio S.C.)

domingo, 1 de abril de 2012

A curta gigante distância (Caio S.C.)

"Esta ali,
Mas você acha que não pode tocar.
Que não deve querer,
que não deve amar.

Sabe que esta "perto",
que preferiu adiar.
Ou vê isso como fuga,
fuga do medo de amar.

Ninguém precisa ser expert
para tentar fazer.
O amor é folhas solta,
mal da pra ver,
flui e voa com o ar.

É longe,
mas nem tanto.
O que doí aqui dentro
é mistura de sofrimento e encanto.
Vira pranto,
e todos caem.
Não se vê mais felicidade
muito menos paz.

Vão pra longe,
tentam de novo fugir.
Não existe colina,
nem mar aonde ir.

Não existe Guardião,
Nem anjo alado,
quando um dos dois não querem
não ficam lado a lado.

Mas sempre haverá
alguém que insista.
Mesmo sem fé,
esperança
na conquista,
vai, falha,
e fica quieto.
Preferia não ter tentado outro amor incerto.

Mas ele segue,
e menti a si mesmo.
Sabe que aquele amor curto,
agradece,
daquele jeito,
na mão um terço,
"Obrigado"
de coração.

Volta a cabeça no travesseiro,
sonhando com a volta,
daquilo que não terminou,
que não gerou revolta.

Mas verdadeiro que isso,
ele não conhece,
mas sabe que a distancia
nunca permanece."

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

O conto do Eterno (Caio S.C.)


A eternidade, pobre daquele que sonha com isso. Hoje “vivo” eternamente e não vejo nem colho bons frutos. Digo “vivo”, pois se você é imortal, logo vê que não existe vida sem a morte. Se eu tivesse percebido isso antes, e nunca ter pedido aos céus essa maldição bem vestida de dom divino, hoje, sei que estaria morto, em paz, perto dos meus familiares, toda minha família, meus filhos, minha mulher, meu amor. Mas graças a meu pedido, nunca os verei novamente.
Falo assim, mas na realidade, nunca acreditei no céu ou no inferno. Vejo realmente como  o inferno é aqui, dentro e fora de mim, nessa espera eterna, pelo mais simples e belo nada.
Não acreditava nos deuses, em nenhum deles, nada que não fosse concreto ou tangível, era conta de fada, fantasia, algo criado pelo homem para não temer um fim medíocre onde sua existência e a de todos que o cerca desapareça e vá para o nada.

Quisera eu estar no puro nada agora.

Sempre se ouviu dizer que: “Aquele que não crê no diabo será tentado pelo mesmo”. Não acreditei no Bem nem no Mal maior, logo, fui tentado. Também tem aquela “Não tentaras o Senhor”, bem, o resultado esta aqui, sou eu.
Enquanto penso nisso, e escrevo num raro pedaço de papel, vejo esse céu avermelhado, onde sem as luzes vivas das cidades, posso ver as estrelas. E os cientistas diriam que elas eram “Eternas”, se me conhecessem viriam que elas seriam somente bolas de fogo.

Quisera eu me extinguir.
Queimar por completo e desaparecer.

Talvez essa “carta” seja inútil, já que na Terra não existe vida há anos, tantos que mal posso calcular. Eu vi pneus serem destruídos pelo tempo, sim, eu fiquei sentado esperando isso, pareceu uma eternidade. No caso, essa palavra se encaixa bem no contexto, porque será!?
Eternidade, pobre daquele que sonha com isso... Viu, a eternidade te deixa repetitivo. Seu eu fosse alguém que vivesse, teria um tempo limite, e esse tempo limite me levaria a viver. Coisa que nem em vida fiz.
Com cada vez mais um mundo todo para mim, decidi aprender tudo que dava, era a melhor das boas coisas a se fazer. Obtendo todo conhecimento, resolvi viver do jeito que dava, bebi, comi, festejei, enganei pessoas, ganhei dinheiro com a minha poupança eternamente em crescimento, transei com centenas ou muito mais, roubei, fui preso e fiquei preso anos e anos. Eu sendo eterno, não envelhecendo e as pessoas não percebiam isso. Era como um fantasma, mas eu estava vivo, meu coração batia, as pessoas me sentiam, mas nunca fiz grande diferença em nada que não me fosse beneficio. Nunca nem sentiram minha falta. Simplesmente por minha presença eterna sem limite de termino, onde, tudo podia ser adiado. E assim foi sendo.
Tive uma temporada de algumas primaveras de humildade. Depois de um tempo cansei, as pessoas não estavam valendo todo meu esforço espiritualizado.
Tive uma temporada arrogante, mas as pessoas eram muito fracas e de baixa estima, vivendo com medo de viver, não valiam meu esforço de tentar ajudá-las a perceber isso.
Tive também uma temporada de procurar alguém para amar, certo dia a encontrei e então... Droga! Esta acabando essa folha, quando encontrar outra, conto detalhes.

Atenciosamente, o único e ultimo,
O Eterno.



                                                                                                                                      (Caio S.C.)

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

Na doce procura (Caio S.C.)


Na doce procura,
Vivo,
De um doce
Abro portas e potes,
Vidros e
Vasilhas,
E um vazio
Vem a barriga.
Não é fome
Não tem nome
Ainda nem senti sabor.
Esse doce não se compra
Independente do valor,
Dificilmente se ganha
E dizem que se deve roubar,
Pra se demonstrar a gana
Do fardo que é amar.
Esse doce só você tem
E tem nome sim,
E dele serei dono
Quero seu beijo para mim.
Não é egoísmo,
Ou talvez seja.
Mas quando se ama,
Vive-se em incertezas.
Afinal ai esta a magia.
Não saber se deve ter,
Se é ou não regalia.
Faz de pequenas coisas
Os pilares do Paraíso.
Faz as almas se debaterem nos corpos
Fazendo-nos perder juízo.
Quero saber esse sabor,
Impregnado em seus lábios.
Tão doce aroma,
Que me deixa inspirado.
Fazendo-me criar poesia
Com rimas meio manjadas,
Sei que sou muito clichê,
Não sei se amo da forma errada,
Mas assim vou levando
Esse sentimento.
Querendo você,
Seu cheiro,
Seu sabor,
Seu entendimento
E seu amor.
Mais é isso que procuro:
Um momento doce,
Uma palavra singela.
Uma fonte de calor,
Crescendo entre eu e ela.

(Caio S.C.)


quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Eu sei ler tudo. (Caio S.C.)




Hoje,
Posso ler seus movimentos,
Ler suas falas verdadeiras,
Suas Mentiras,
Sentimentos.
Sei ler sua mão,
E seus pensamentos.
Se estas alegre,
Ou em sofrimento.
Sei pra onde você vai,
Leio as entrelinhas do que diz.
Leio o que realmente queres,
Sabendo do que te faz feliz.
Não passo um dia sem te entender melhor,
Seu riso,
Feliz ou não.
Seu esforço em seu suor.
Torno meu conhecimento,
A maior de minhas armas.
Meu amor é perfume.
Meu escudo,
Minha alma.
Todas são descrentes,
Não caem em minha arrogância.
Ai está o erro,
Ganho pela perseverança.
Você não é diferente,
Pelo menos nesse ponto.
Independe se me deves,
Sempre te darei desconto.
Aproveite por agora,
Enquanto tenho visão.
Pois com ajuda dela,
Torno-me melhor na compreensão.
De saber pra onde vai,
Se me amas,
Ou não.


(Caio S.C.)

Pensamento 10# .... Expectativas?!

‎"Expectativa não é acréscimo, ação sim." (Caio S.C.)


Querer não é poder, já dizia o ditado, logo, se você não correr com vontade atras do que quer, vai ficar sem.


No mundo sempre haverá alguém melhor em um ou todos aspectos, se não trabalhar seus pontos fracos, 


transforma-los em forte, e aperfeiçoar os fortes, será sempre passado pra tras.

Que tenhas nascido pra vencer!


(Caio S.C.)

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Possibilidades alternativas n# 84


#FactoideRomântico

Então ele disse:
-Amor...
-Sim?!
-Já que você não quer sexo, decidi ter a 2ª namorada.
-O QUE?! TA MARCANDO?! FILHO DA PUTA
-Calma, vocês podem me ter meio a meio!
-Sabe o que você vai meter meio a meio?!
-Em você...
-CANALHA, VOCÊ TA MALUCÃO...?!
-...Em você que deposito todo meu amor, não teria outra em hipótese alguma, você é perfeita, e eu sei que a paciência é uma arvore de raiz amarga e frutos doces. Eu te amo, mulher.
.....
Opa, mas isso não é a realidade.

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Meu amigo Ego - Parte II (Caio S.C.)






Depois de mais alguns anos, uma singela humildade cresceu dentro dele, mas era falsa, depois de vários meses de perseguição, percebeu que estar vivo valia mais do que estar certo, mesmo estando certo e sendo conhecido como errado. Agora ele só falava arrogantemente quando seu corpo não se continha e soltava seu fogo, dele e do grande Ego que estava maior do que nunca, e mais poderoso, para queimar seus alvos incrédulos de suas habilidades e conhecimentos.  Agora ele tinha sucesso com as garotas, simplesmente por saber a hora de mentir e não mentir, e também com os caras comuns de forma que vivia num estilo arrogante, e com sua cara séria, engraçado. Isso era o que o deixava vivo sem machucados, a descrença na pretensão dele perante os outros. Iludidos pela inocência muito inexistente.

 Agora a vida se tornou melhor, comparando ao passado medíocre. Mas mesmo com privilégios, ou vantagens, ele não deixou de ser medíocre nesse aspecto. Voltamos à sala de aula, agora, um alto burburinho na sala, sem o que fazer, ficou a ouvir a conversa alheia, e era cada bobeira dita pelos adolescentes, e uma delas o fez mandar seu Tamaguchi atacar, ao perceber que se falava dele. Ele entrou no assunto, foi elogiado, mas ele viu mais uma oportunidade de se vangloriar mais, se vangloriou, elas entenderam como uma piada, mas com certo sentido real. Ele aproveitou e elogiou as garotas, e ao mesmo tempo, depreciou a garota ruiva que o elogiara, ela até gostou, mas de forma inconsciente. O recém namorado dela ouviu a conversa, de forma imponente, chegou ao Sr. Ego, olhou muito torto, e rapidamente irritado, e como é de costume, um soco veio se sentar em sua face arrogante.

O Ego do senhor adolescente, metaforicamente e fisicamente, foi-se ao chão, derrubado da cadeira pelos braços e punhos juvenis cheios de hormônios, ele não sabia que seu flerte era proibido, mas agora saber ou não, não adiantaria.

A briga estava crescendo, os seres – ironicamente chamados de –  Humanos,  gostam de tudo que é “negativo”, como a violência. “Ninguém queria impedir o fato, somente ajudar a piorar o fato, “Bate nesse folgado”,” Vai lá, ele merece!”, ajudar ninguém queria, deixaram rolar. O garoto raivoso foi para cima do Mr.Arrogante assim que ele se levantou, o nosso anti-herói seguiu o instinto de sair da sala, “Correr lhe deixa vivo para lutar e morrer em outra batalha”, talvez seja um antigo ditado ninja, mas se não, vem de uma historia sobre os próprios. Certas filosofias ninjas se encaixavam bem na mente do garoto, principalmente a parte sobre mentir quando necessário, e fugir também.
A inteligência era um atributo muito usando por ele, logo, acelerou seu passo, subiu a escada, e ficou quieto por lá, ouviu seu inimigo passar com um grupo de curiosos, percebeu que a rota deles se modificou para a escada, levantou tranqüilo, e entrou numa sala qualquer, disse “Oi” a classe, e pediu para entrar e conversar com a professora, e assim fez. Seu caçador passou pela sala a sua procura, mas não reparou na sua presença, já que ele ficou num ponto cego estratégico. Hoje ele estava salvo. Mas e amanhã?!

A semana passou-se meio obscura com o possível ataque do Sr. Irritado, mas no final da semana, ele recebeu uma oferta, ir para um programa de TV demonstrando suas habilidades de fala e conhecimento. Era a oportunidade que ele queria sem saber da possibilidade. Um arrogante não recusa desafios, o ego desse tipo de pessoa sempre cresce mais por essas oportunidades.
E com isso, Ego ficou maior, mais forte e mais rude. Tornara-se um grande dragão, não mais verde, agora vermelho. Os sentimentos estavam postos em suas escamas, tinha mais garra. O garoto e seu ego se modificariam muito mais, dependendo do resultado desse novo jogo da vida, a oportunidade.
Ocorreu um erro neste gadget