quarta-feira, 27 de abril de 2011

Mais um dia no teatro

Uma arte que realmente merece ser chamada de Arte. Fazia alguns meses ou anos que não ia a um teatro, ou cinema também. Mas a emoção que me foi passada pelo texto, pela interpretação, pelas feições, pela PAIXÃO do teatro.
As idéias colocas na peça "A sombra da Terra" - que é uma peça forte, com muitas verdades e criticas ácidas postas na mesma- são de uma força, que todos que tem idéias inflexíveis, tomaria como uma Marretada, é um estilo "Nietzschelista" de te fazer pensar. Essa peça me mostrou coisas das quais eu não tinha um conhecimento, como uma cartilha sobre sexo, possivelmente da Igreja Universal, que, pra quem acha que fazer "aquilo" sob essas regras é algo bom, aceitável, por mim tudo bem, mas eu não sou um extremista como eles.
A dramatização foi algo que podemos dizer que foi tensa e intensa. Bem, não vou fazer Spoiler da peça, senão, perderia toda a graça e surpresa, que no teatro é um dos toques mágicos.
Mas é claro que em alguma hora , ou, no nosso caso, minutos, iríamos ter alguém atrapalhando, no caso, muita gente de outra escola. Mas se o barulho fosse o grande problema seria de menos, o grande problema, que nessa peça, após seu termino, haveria um Debate, para troca idéias, seus conceitos e etc. Porém, graças a esse pessoal que ficou bagunçando e usando piadinhas de programas dominicais de humor, as vezes, apelativos, acabou destruindo a oportunidade do esperado bate-papo com o publico.
Mas, "Quem espera sempre alcança", como já dizia alguém que criou a frase. Muitas pessoas foram embora do teatro, e por melhor ainda, o pessoal que ficou fazendo bagunça. Dai, poucos alunos e poucos professores da minha escola ficaram, minha professora de português foi para os camarins, e outros alunos a seguiram, e eu também. Foi demais, um papo cheio de descontração com alguns atores, parabenizamos quem deu para parabenizar, por que foi um ótimo trabalho aquele.
Espero ter mais chances de voltar ao teatro. Faz muito bem.
Quem sabe a próxima excursão seja no "Museu da Língua Portuguesa". Espero que haja essa oportunidade.
Parabéns aos nossos amigos de arte, o Teatro.






"A Sombra da Terra" está em cartaz no Teatro Municipal de Sorocaba, quem for da região, de um pulo, coloco mais informações de horário e datas quando eu consegui-las.
Até a próxima.

domingo, 17 de abril de 2011

Desafio Leitura Nacional

Minha Prima/Minha editora/Escritora/e centenas de coisas mais, do http://framboesasnojardim.blogspot.com me passou esse desafio, vindo do site/blog www.fernandameireles.com/  que é cheio de resenhas e promoções, um daqueles endereços na internet que você precisa passar sempre. E esse desafio são as seguintes perguntas "Oeeeee":
1 - Quantos livros nacionais há na sua estante?
De 18 livros, 8 são nacionais, que são:
"Na Margem do rio Piedra sentei e chorei" e  "O Alquimista"(Paulo Coelho)
"Laços de Familia" e "o Primeiro beijo" (Clarice Lispector)
"Dom Casmurro" (Machado de Assis)
"A noite dos favelados" (Oliver Marti)
"80 anos de poesia Mario Quintana"
E um outro não literário.
2 - Quando e qual foi o último livro nacional que você comprou?
Nunca comprei eu mesmo livros, geralmente ganho ele x]. Mas o ultimo nacional que eu li deve ter sido "O primeiro beijo" da Clarice.
3 - O que achou dele?
Muito bom, elas soube passar sentimentos nessas parte propriamente ditas, e tipo uma habilidade que ela tinha.
4 - Entre os nacionais que já leu, de qual menos gostou e qual mais te surpreendeu?
"O Alquimista" na época não prendeu minha atenção, larguei dele, quem sabe um dia volto a ler.
5 - O que acha que falta aos autores nacionais para que a barreira do preconceito dos leitores seja vencida?
Temas mais desafiadores, tipo "A batalha do Apocalipse",do Eduardo Spohr, é um tema que gerou boa repercussão, no lado nerd da força x].
6 - Cite 3 (ou mais) livros nacionais que espera ler em breve.
Só "A batalha do Apocalipse" Eduardo Spohr
Mas alguns título chamaram a atenção, como:
A Pílula do Amor - Drica Pinotti
Amores Incertos - Roberta Polito
Ela Disse, Ele Disse - Thalita Rebouças 
O Vale dos Anjos - Leandro Schulai
Filhos de Galagah - Leandro Reis
Diário de um Anjo - Mandy Porto 

7 - Indique 5 blogs para este desafio.
Por enquanto só conheço o da Carol, quando eu me aprofundar nesse mundo, e ainda tiver esse desafio, eu passo pra frente, desculpe. x] 

terça-feira, 12 de abril de 2011

O que faço com as flores... (Caio S.C.)

O que faço com as flores que nunca lhe dei?!
Todas elas morreram porque nunca cuidei.
E aqueles chocolate que deixei na geladeira?!
Esperando para serem entregues exatamente naquela segunda-feira.

Porém, as vezes o tempo passa,
e não mais lhe vejo ao meu lado
você está longe, 
e eu finjo estar sossegado.

Porém, não te ter que me corroe.
Não que eu seja um sentimental exagerado,
é que quando estou amando,
Quero minha amada ao meu lado.

Mas, e agora...?
E se o tempo passar,
as flores morrerem,
o chocolate secar,
e seus amores cederem?!

Voltarei a ser só,
e viver te olhando,
e como sempre, me perguntando:
"Afinal, por que estou te amando?"

Será culpa do seu sorriso,
do seu olhar,
ou do seu perfume?!
Seria você um amor normal,
ou uma paixão fora do costume?!

Queria eu ter as resposta,
e não ter tantas perguntas.
Mas quando se trata de você,
Nada de discordante lhe muda.

Coisa de ser Humano. (Caio S.C.)

Sempre amando o impossível,
Pois existe gosto melhor no difícil.
Sempre se tenta dizer o indizível,
Sempre se tenta ver o invisível.

Até no amor parece ter melhor recompensa,
Ao invés de seguir doces palavras
Preferem-se as ofensas.

Seguimos caminhos tortuosos
Cheios de solidão no ar,
Tristeza ao chão,
Ao caminhar.
E a angustia nos nossos estômagos.

Poderíamos facilmente seguir o caminho que nos aceita,
Mas qual seria a graça de ser amando facilmente?
Parece, que para o amor,
Não existe receita.

E se houvesse uma poção?
Em que sua amada viesse lhe amar,
Você não usaria sua melhor opção:
Conquistar!

Se o que é fácil não agrada,
O “mais fácil ainda” não desperta nada.
E ali você pode ficar,
Sem ter o que fazer, sem ter que pensar.

Adeus sabor da conquista,
Adeus chegar ao impossível.
Adeus verdadeiro amor,
Adeus Amor indescritível.

quarta-feira, 6 de abril de 2011

Enquanto o Amor não chega... Parte I (Caio S.C.)

"Enquanto o amor não chega...
eu fiquei conversando com a Solidão”

-Olá, como vai? – ela iniciava a conversa.
-Ah, bem, ... Mais ou menos...
-Por quê?
-É que eu estou esperando alguém
-Quem? – a solidão perguntou
-O Amor.
-Ah, sério?!
-Sim, o Amor falou que viria, mas acho que ele se atrasou, já era pra ter chegado e isso faz tempo, será que nosso encontro vai ficar pra mais tarde...?
-Ei, não se chateie, o Amor vai vir – a solidão se achegava mais, e dizia isso de forma encorajadora. Dando-me Esperança.
-Bem, eu até que queria não me chatear, sabe?
-Sei.
-Então, mas não é a primeira vez. Certa vez, o Amor não pode vir, e me mandou a tristeza avisar... - A solidão me interrompe.
- A Tristeza! Conheço, amigo meu.
- Poxa, que legal isso...
-Acho que ela vai chegar aqui daqui a pouco.
- Sei... Vocês vão sair?
- Na verdade não, vamos entrar.
-Aonde ?- perguntei
-No “Seu Coração”, conhece?
-Acho que sim, já ouvi falar, dizem que é sempre um lugar conturbado. Verdade?
-Mais ou menos, não é sempre, às vezes é bem pacífico.
-É... interessante...

E visto que o Amor não chegou, eu continuei a conversar com a Solidão que me envolvia: 

-Quando você marcou com o Amor?
-Já faz alguns anos, às vezes pego alguns caminhos por onde o Amor devia passar, mas nunca o encontro.
-Isso é triste!
-É, mas obrigado por dar aquela Esperança.
-Não é isso... Olhe, a Tristeza chegou!
-Olá – disse a Tristeza com um sorriso maroto na face, como se ela fosse uma boa coisa, assim como a Solidão me pareceu no início.
- Oi – disse eu com um vazio no peito por tanto esperar, e meio incomodo pela presença da Tristeza.
-E ai cara - perguntou a Tristeza, com certo afoitamento para saber minhas intenções de porque estar ali parado – o que você está fazendo? O que você vai fazer?
- Bem, eu estou esperando o Amor, e enquanto o ele não chega, fico com vocês. – E meio tímido lhes perguntei - Pode ser?
A Tristeza respondeu:
-Poxa cara, não vai dar, eu e a Solidão vamos praquele lugar, você sabe né?
-Sei... mas fica aqui. Será que vocês podem me fazer companhia enquanto o Amor não chega?
-Poxa, tem certeza?
-Tenho, não gosto de ficar sozinho.

O amor então não aparecia, e continuei, agora, na companhia da Tristeza e da Solidão:

-Que tal você vir conosco? Marque com o Amor pra se encontrarem no “Seu Coração”, quem sabe vocês não se divertem lá?
- Isso, pode ser!
Peguei o celular... liguei para o Amor mas deu caixa postal, como sempre. Nunca consegui falar direito com o Amor, logo sempre deixava recados, e então deixei um novo:
-“Oi Amor, será que nós podíamos marcar em outro lugar? É perto de onde marquei com você. É um lugar vermelho, com luzes azuis e brilhos avermelhados, tem formato de coração, que é o nome do lugar. Qualquer coisa me liga! Certo? Até mais.”

E então saímos: Eu, a Tristeza e a Solidão. Fomos para o “Seu Coração”.

Um conto do riso desesperado (Caio S.C.)

-OK, Você tem noção do que eu disse, certo?!Você tem noção dos perigos que você esta aceitando?!
-Sim
-Posso perguntar por quê?
-Pode
-Por quê?
-Porque sim, e não seria pra isso que vamos pra lá?!
-Sim, ... Mas....você não tem medo?
-Logicamente!
-Mas se você tem medo...E então?! Por que ir?
-O medo só vai me consumir em alguns instantes, eu vou errar, errar, errar, talvez quem sabe quase chegar nesses objetivos, mas pelo menos eu vou tentar, né?!
-Sim...humanos, seres estranhos.Você tem noção também do sofrimento que você vai passar né?!
-Cara, você me mostrou tudo, eu tenho noção sim!.....Porem, pensando bem....
-Então você desistiu?
-Não, não importa, a felicidade dos outros é mais importante que a minha, principalmente se eu amo essa pessoa. Mas não tem jeito mesmo de eu conseguir?!
-Isso só depende de você, o que você viu foi só uma das bilhares de milhares de possibilidades de ações, e de acontecimentos.
-E então ainda existe 1% de possibilidade?
-“Se você acreditar e tiver o que é necessário, no caso fé em si mesmo, você consegue o impossível!”
-Quem disse isso?
-Você quer dizer, “quando eu escreverei isso?!”, por que essa frase é sua, será durante mais uma fase ruim sua, você será uma ótima pessoa pra conversar com você mesmo, e com os outros também, e os outros adorarão conversar com você.
-Tá certo! Se existe uma mosca de oportunidade, eu acertarei meu tiro nela
-Bela outra frase sua!
-Valeu, sou bom nisso
-Você não sabe o quanto
-Não sei, mas imagino!
....
-Mas é tanto sofrimento... Esqueça, eu vou sim! Pode abrir!!!
-Certeza?!
-Eu disse que sim, não me faça pensar melhor!
- E ENTÃO QUE SE ABRA A PORTA DA ESPERANÇA!!!
O som de portas gigantes se abrindo
-Até mais, espera ai, “Até mais nada”, Não quero te ver nunca mais Morte.
-Espero que nem eu te veja, tão cedo - Risos - Então meu querido amigo sem nome, bem-vindo à VIDA!
Ocorreu um erro neste gadget